WWE Smackdown de 21 de Novembro de 2014

O Friday Night Smackdown desta semana é o último evento antes do PPV Survivor Series do próximo Domingo. Em destaque no show está o anúncio de Triple H que traz mudanças ao combate principal do PPV. Dean Ambrose está em destaque ao falar do seu kit de sobrevivência contra Bray Wyatt

WWE NXT de 20 de Novembro de 2014

O episódio desta semana do NXT tem como principal destaque a última cartada de Sami Zayn para conquistar o título do NXT de Adrian Neville. Em termos de combates, o show é recheado e são seis combates que acontecem com o foco a estar em Tyson Kidd contra CJ Parker,

TNA Impact Wrestling de 19 de Novembro de 2014

O Impact Wrestling desta semana tem como principal destaque a defesa do titulo feminino por parte de Havok contra Gail Kim e Tary Terrell. O titulo da X-Division têm um novo campeão pois este é disputado num four way com Low Ki, Tigre Uno, DJZ e Manik. .

WWE Main Event de 18 de Novembro de 2014

O WWE Main Event desta semana tem como principal destaque o embate entre Bray Wyatt e Jack Swagger. A completar o evento estão mais três combates com destaque para Usos contra Stardust e Goldust e Tyson Kidd e Natalya frente a The Bunny e Adam Rose..

WWE Monday Night RAW de 17 de Novembro de 2014

O Monday Night RAW desta semana é o último grande show antes do PPV Survivor Series do próximo Domingo. Em destaque no show estão o finalizar das equipas Team Cena e Team Authority para o PPV. Dolph Ziggler coloca em jogo o titula Intercontinental contra Luke Harper.

WWE PPV Hell in a Cell 2014

A WWE apresenta o Hell in a Cell. A liderar o evento estão dois combates Hell in a Cell com Dean Ambrose a enfrentar Seth Rollins e John Cena a bater-se mais uma vez contra Randy Orton num combate a valer uma title shot ao título da WWE. O PPV terá ainda várias defesas de titulo e Big Show contra Rusev..

«

domingo, 21 de dezembro de 2014

MMA: UFC Fight Night 58: Machida vs. Dollaway - Resultados + Videos


O UFC encerra sua temporada 2014 com a sétima viagem ao Brasil no ano. O Ginásio José Corrêa, em Barueri, na Grande São Paulo, será palco do UFC Fight Night 58, evento liderado pelo confronto entre Lyoto Machida e CB Dollaway, que mexerá com a parte de cima do ranking dos médios....

sábado, 20 de dezembro de 2014

MMA: UFC Fight Night 58: Machida vs. Dollaway - Antevisão + Pesagens


O UFC encerra sua temporada 2014 com a sétima viagem ao Brasil no ano. O Ginásio José Corrêa, em Barueri, na Grande São Paulo, será palco do UFC Fight Night 58, evento liderado pelo confronto entre Lyoto Machida e CB Dollaway, que mexerá com a parte de cima do ranking dos médios....

Lucha UnderGround - Oitavo episódio | Battle Royals


A promotora de lucha libre AAA entra no mercado norte-americano com o seu novo programa, Lucha Underground! Este projecto é um híbrido entre a lucha libre e o wrestling norte-americano e que apresenta lutadores dos dois estilos. O oitavo episódio tem como destaque duas battle royals, uma masculina e outra feminina e no main-event Mil Muertes contra Fenix...

SmarkDown! - 5 coisas que quero para o wrestling em 2015



Num formato inovador na comunidade online de wrestling portuguesa, o SmarkDown! trás as opiniões e análises imparciais sobre tudo o que é Wrestling, enquanto educa sobre momentos históricos deste grande espectáculo. João Basílio será o vosso anfitrião e guia dentro do mundo do wrestling, por isso preparem-se para um verdadeiro SmarkDown!...

Slobber Knocker #128: Muita gimmick, pouco material (Parte 3)


Sejam bem-vindos ao Slobber Knocker desta semana, que já dá para ver logo de imediato no título, que é um retomar de um daqueles temas engraçados que se vão fazendo ocasionalmente. Não tem grande posicionamento nalguma situação presente, isto das flashy gimmicks que não vão a lado nenhum, podem acontecer a qualquer momento.

Se quisermos olhar para a actualidade, podemos analisar os Ascension como uma tag team com uma gimmick bem “garrida” e que pode resultar. Entretanto, a ver-se mais à rasca estão os New Day, cuja gimmick ainda é muito vaga e mal dá para entender o que é suposto ser. São gajos muito positivos, é isso? Logo, há sempre qualquer coisa e até deu a ideia para fazer um especial de tag teams! Foi preciso cavar um pouco fundo para algumas que aqui estão. Mas assim é que tem piada. Se fossem memoráveis já tinham ido a algum lado.

The Ding Dongs


Esta é curiosa porque corresponde a uma fase má da WCW antes da fase má da WCW. Foi no final da década de 80, ainda estava a amadurecer e a preparar-se para entrar na corrida para a concorrência com a WWF, que estaria a chegar a uma das suas piores fases, na entrada na década seguinte. Ainda a depender da NWA, já existiam coisas na WCW que mostrava um plano e um objectivo. Só não eram lá muito bons, porque envolviam muito disto.

Não verão muitas vezes o nome de Jim Herd, no que diz respeito à listagem de grandes presidentes de companhias de wrestling. Talvez o verão nalguma listagem de grandes managers da Pizza Hut, se fizessem isso, visto que esse era o seu emprego anterior. Mas Jim Herd era o nome do senhor que tomou conta da WCW no final da década de 80 e que tentou várias estratégias para atrair espectadores que bem que pareciam saídas de alguém que estava mais acostumado a organizar menus de pizzas. Algo que ele tentava, a partir da WWF, eram gimmicks “cartoonescas”, “over the top” e coloridas, para atrair a miudagem. Mas estava ele convencido que conseguia arranjar o carisma e heroísmo de um Hulk Hogan, a electricidade e energia de um Ultimate Warrior ou a simpatia e energia positiva de um “Macho Man” Randy Savage.

Não propriamente. Mas conseguiu criar os Ding Dongs. Ah pois é. Uma tag team que consistia em dois tipos todos cobertos com um fato laranja a fazê-los parecer uns primos emigrantes mais pobres dos Power Rangers. Com um tema de campainhas que fazia com que eles levassem mesmo umas campainhas que se fartavam de tocar ao longo de cada penoso combate. A gimmick era essa. A base eram campainhas, sinos, qualquer coisa. Sim, o nome “Ding Dongs” que não tem qualquer referência àquele mítico hino do Gunther. E isto era suposto ir a algum lado.

Os incógnitos lutadores que nunca acabaram por se tornar propriamente conhecidos eram Jim Evans e Richard Sartain que cumpriram o seu árduo dever de interpretar estas personagens um punhado de vezes, porque havia limites para o disparate. E nem era só pela gimmick ser tão surreal e nos deixar a pensar “que raio se fazia com este conceito?”, é que as campainhas também eram barulhentas. E toda a alma viva que acompanhava se irritava com aquele chavascal. Não, nada a fazer com os Srs. Ding Dongs. Tal expressão é ainda mais hilariante de se usar que o que parece.

Resultava nos dias de hoje?: Oh por amor de Foley...

The Johnsons


Com um especial de tag teams nisto, é claro que saem pérolas. Melhor que ver um indivíduo a fazer ridículo, só ver dois. E partimos logo para dois gémeos que irromperam no início da embrionária TNA como os gémeos The Johnsons. Não há qualquer referência ao Dwayne Johnson aqui, eram dois tipos que nada tinham a ver. Então se acham que esse nome abria asas para piadas fáceis, então desenganem-se. O nome É a piada fácil! Cada um utilizando o nome Richard “Dick” Johnson – subtil – e Rod Johnson, a parceria representava bem aquilo que a palavra “Johnson” costuma a significar num calão infantilóide lá daquelas terras.

No caso de restar alguma dúvida, para a qual não creio que tenha ficado grande espaço, então os senhores apresentam-se vestidos completamente em látex. E nem a forma do fato queria deixar dúvidas. Vou deixar-me de rodeios e disparar a podridão toda duma vez: era suposto os dois irmãos gémeos estarem ali a representar um valente e assustador par de mangalhos, enquanto lutavam. Se já viram de todas as gimmicks e acham esquisito um gajo vestido de coelho, perguntem aqui aos gémeos a sensação de terem que se vestir de algo que represente o órgão masculino. Vida de pobre!

Se acham que uma equipa destas não tem qualquer seriedade... Eh pá, estão certos. Mas os estafermos conseguiram mesmo ser World Tag Team Champions da NWA, em Junho de 2002, perdendo-os apenas quando a TNA se apoderou totalmente dos títulos e retirou-lhos assim que não os manteve na companhia. Se não fosse isso, se calhar até seriam uns Campeões históricos. Ou então não e esta gimmick não viria a resultar por muito tempo, porque... Porque raio havia de resultar? Leiam o parágrafo anterior se ele já não explicar tudo!

Curiosamente, esta equipa ainda passou pela WWE, mas muito mais despercebida. Associados a um senhor com uma “flashy gimmick” já de si, Simon Dean, correspondiam aos Gymini, guarda-costas do lutador e macacos de serviço para uma feud com a equipa de Paul London e Brian Kendrick. Não pegou e durou pouco tempo. Se calhar se aparecessem cobertos de látex, até reinavam a divisão de equipas do Smackdown.

Resultava nos dias de hoje?: Eu até utilizava “TV-PG” como argumento mas acho que algo como “bom senso” chega perfeitamente para o efeito.

Spirit Squad


NICKYYYYY! MIKEEEEEY! Nem são só o Dolph Ziggler e o Mike Mondo a gritar que importam aqui, esta era uma stable de lutadores trazidos do território de desenvolvimento com uma gimmick muito bem definida: cheerleaders masculinos. Se precisam de ver isso bem para terem a certeza do que viram, devem ser novos nesta coisa do wrestling, porque os Spirit Squad ainda são bem lembrados nos dias de hoje e até souberam marcar a sua diferença.

Kenny, Johnny, Mitch, Nicky e Mikey eram os cinco lutadores que constituíam a equipa que viria a conseguir conquistar os títulos de equipas, usufruindo do direito de deterem todos os cinco os cintos e defendendo dois diferentes a cada combate. É claro que os outros três não ficavam parados lá fora a olhar e tinham que fazer das deles. É uma ideia que ainda hoje não é vista com bons olhos nem muito bem lembrada mas tenho que confessar que até nem desgostava dos moços e até achava piada ao seu histerismo. Não tinha a preferência pelo Nicky que tenho agora mas isso é porque muita coisa mudou.

Chegaram a ser utilizados como lacaios de Vince McMahon naquela minha tão predilecta feud com os DX. Não por intimidarem mas por serem muitos. E tinham aquela gimmick que lhes permitia ter uma entrada que irritava toda a gente – no caso deles, como Heels, podia ser – e fazer umas maluqueiras durante o combate. Não era assim tão mau pensado de todo, mas não havia muito a fazer a longo prazo. Nem individualmente, com tipos de nome singular comum e que carregavam pouco carácter para serem uma personagem sem os outros todos. Lá foram encaixotados e enviados de volta para o território de desenvolvimento – literalmente, pelos DX – e ficou o Kenny Dykstra a tentar safar-se sozinho mas com pouca sorte. Ou seja, era algo que já tinha prazo de validade. Aos poucos, os restantes também foram saindo e ainda ficou um que teve ser virado completamente do avesso e remodelado como Dolph Ziggler para ser uma das melhores coisas que lá anda nas ligas grandes e médias, que rouba o show como ele bem diz.

Como disse, não ia dar para carregar isto por muito mais tempo e também não é algo que se possa tentar outra vez. É algo demasiado específico, não podem chegar lá uma data de cheerleaders masculinos sem serem os Spirit Squad outra vez. Se os juntassem todos e fizessem a entrada deles, eu markava e até acho que puxava um popzito. Mas nem sou daqueles que acha que foi uma terrível ideia, nem foi executada assim de tão má forma. Não era suposto ser algo muito sério e até souberam pegar bem no “estes gajos são parvos” da gimmick e balançá-lo com o “mas lutam bem e ganham” que acontecia. Funciona como uma coisa de pouco tempo, para mim, e foi o que aconteceu. Insistência a esticar ia dar cabo de tudo e eles foram suficientemente inteligentes para o evitar.

Resultava nos dias de hoje?: Já disse que já está feito e que não é algo em que dê para pegar para se fazer outra vez. Se só existissem Spirit Squad agora, acho que resultava da mesma forma que na altura: recepção mista. Têm lá eles agora gimmicks mais manhosas até.

Los Matadores


Pronto, agora fujo um bocado da rota das coisas que pertencem ao passado e vou buscar algo ao presente. E com a sua devida justificação, afinal isto já está bastante gasto para o recente e actual que é. Com Primo e Epico a perder momentum e a desaparecer do mapa e da divisão de equipas, onde já tinham sido anteriormente Campeões de Tag Team, voltam Diego e Fernando com uma gimmick Face de toureiros, acompanhados pela mascote que na verdade é a estrela do grupo, El Torito, um anão vestido de touro. Já sabemos que não vai ser nenhuma equipa séria ou perto disso, já pela premissa.

O que também se espera é que eles joguem as cartas todas que isto tem de uma vez e que estagne num instante. Ainda mais difícil quando não foi uma estreia das mais convincentes e os dois primos não conseguiram ficar tão over assim. Nem o próprio El Torito, que ainda era o que roubava mais atenção. Não ia dar para ficar sempre à espera que a plateia responda aos “Olé!”, que as interferências do Torito sem dar desqualificação sejam aplaudidas sempre ou que os combates com os mesmos adversários e o mesmo tom cómico duvidoso permanecessem interessantes. Por esta altura, ainda há muito dos Matadores para ver. Mas o que é suposto ser a base deles já queimou.

Com isso, com o pouco que ainda há por fazer e o ainda menos que há para fazer de bom, considero esta entrada dos Matadores como a que mais directamente corresponde à ideia do título. Muito teatro na gimmick, o que nem é mau, eu nem me importo com isso, mas pouquíssimo conteúdo e pouco pensamento sobre o que fazer com esta malta a longo prazo. Já nem para El Torito sobra muito e esta nem é daquelas situações em que conseguem tirar um “Wee LC” do bolso assim com facilidade. Esse, por acaso, foi legitimamente bom, para minha surpresa e de muitos. Outra coisa que lhes aponto e isto é mais pessoal, tendo em conta a minha posição em relação às touradas, torna-se difícil aceitar personagens que consistam em toureiros como babyfaces. Mesmo que a mascote deles seja suposto ser um touro (humano) ao qual têm muita estima. Aí nesse caso já fica mais confuso.

Resultava nos dias de hoje?: É o caso presente do artigo, logo é nos dias de hoje que a acção decorre. E é nos dias de hoje que não está a resultar. Vive mas anda por andar. Jobbam quando têm que jobbar, ganham com pouco propósito. Segmento de comédia aqui e ali e pronto, já está gasta a pequenina fórmula dos Los Matadores. Será que vão querer remodelar o filho e o sobrinho de Carlos Colón mais uma vez? Ou tem que vir o Carlito pôr ordem nesta maluqueira toda?

The Quebecers


Vamos para um caso já um pouco maior e que ainda desfrutou de algum sucesso. E estes até eram razoáveis, em termos de gimmick. Eram parvos e era uma exploração de estereótipos descarada, mas acredito que era essa mesma a intenção e que dava para o efeito. E foi só pegar no ex-Campeão Intercontinental The Mountie, mudar-lhe o nome e dar-lhe um parceiro e estava pronta uma nova adição à divisão tag team. E que viria a ter frutos. E o tema de entrada deles, cantado pelos próprios, era hilariante e tem que permanecer entre os grandes de sempre.

Foi em 1993 que ainda viram o seu percurso ficar rico. Mas apenas pareciam ter um propósito: gozar com Canadianos e juntar-se à festa EUA vs Mundo que eles sempre insistem em abordar. A forma de os inserir em tal era simples: colocá-los em feuds com os Steiner Brothers que, a partir do “All American”, iam expondo algum patriotismo e esperar que a história de Yokozuna contra o país, com Lex Luger a servir de herói, desse os seus passos. Estavam os estrangeiros todos juntos e os Quebecers faziam parte da ceita, porque bem sabemos o quão maldosos são os Canadianos, de modo geral.

O problema é que tirando isso também não se arranjou muito mais para fazer. Não era uma equipa fácil de virar Face, porque já tinham aquela gimmick muito garrida. Os gajos foram feitos, à medida, para serem irritantes, não se vira isso de qualquer maneira. E fora isso, resta pouco. Andarem sempre contra o país, algo irrealista por parte de Canadianos, começa a cheirar mal depois de muito tempo, especialmente se não for feito de forma forte e que intimide – com Rusev já resulta muito melhor – e ficarem apenas uma tag team com aquelas características para ir lutando, sem que isso lhes sirva de grande propósito e andando lá por andar, também não vale a pena. Se fosse nos dias de hoje, em que a divisão de equipas orienta-se um pouco por esse meio, até eram capazes de o fazer, mas não iam ter muita actividade seguida também. Acabou por se esgotar e a equipa, tendo o seu tempo, os seus momentos e a sua glória, não viu assim muita prolongação.

Como disse, não havia maneira de dizer que eram uma má tag team. Eram bons Heels naquelas personagens e entravam num conceito no qual a WWE parece que estará sempre obcecada – o patriotismo cego e exagerado – logo podiam marcar bem o seu lugar. Mas não podiam estar sempre na mesma história e foi o que eventualmente aconteceu. Se calhar se quisessem tentar um regresso nostálgico alguns anos depois, até conseguiam alguma coisa.

Resultava nos dias de hoje?: Por um lado, basta olhar para Rusev e para Cesaro perto da sua estreia, para percebermos que ainda é frequente recorrerem ao “estrangeiro é mau” e “USA! USA! USA!” com regularidade. Logo, se quisessem arranjar uns Quebecers nos dias de hoje, faziam-no. Por outro, não é com Canadianos que vão longe, se há povo que não faz mal a ninguém. E ainda por outro, a malta de Quebec agora está mais preocupada em emancipar-se do Canadá e tornar-se o seu próprio território – com o Francês como língua materna – para estar a querer chatear Americanos. E já tivemos os La Resistánce, não vai há muito. Mas também, se o fizessem, acontecia o mesmo. A curto prazo e com pouco para inventar depois.

The American Males


Mais um dos casos mais esquisitos, antigos, menos lembrados e que, claro, tinham que pertencer à WCW. Para acabar a listagem naquela nota familiar. Não é caso para se apontar como uma equipa obscura, pois consistia de Buff Bagwell, quando ainda lhe chamavam Marcus, e o seu parceiro Scotty Riggs. Chegaram a ser Tag Team Champions por uma semana, numa feud com uma equipa de alto calibre: os Harlem Heat. Logo anda ali pelo meio termo.

O primeiro que se tem a apontar e que se deve arrumar logo como o pior neste cenário: o nome. Não é nada indicativo da gimmick da equipa, quando apenas se denominam como “American Males”. Conseguimos perceber a sua nacionalidade e que são do sexo masculino. Muito específico. Uma equipa constituída por dois gajos, está claríssimo aí. Logo, o nome peca. A gimmick que esse nome pretende representar é a de dois narcisistas obcecados com o próprio corpo e com uma queda para as meninas. Nada de novo, vê-se muito disto a qualquer altura. Uns mais bem feitos que outros.

Outro ponto que serve tanto a favor como contra é que também tinham um tema de entrada bastante parvo, que tanto podia irritar como ser hilariante. Eu dou sempre para a segunda opção, sou esse tipo de gajo. Mas temos que ver que, para irritar o público, tem que se fazer como deve ser. Senão... Começam a aparecer cada vez menos. O mais provável é que nem se tenha devido a isso, mas sim porque já não havia assim muito mais para inventar quando a gimmick, apesar de bem flamejante, ainda era genérica. E dois gajos com a mania que são bons e que a sabem toda é algo que dá para segmentos engraçados, mas para feuds, pega-se basicamente no nada e avança-se com feuds genéricas que apenas têm segmentos com gajos que têm a mania que são grandes machões. Fica pouco.

Daí que restasse pouco após a rivalidade com os Harlem Heat, houvesse muito vaguear, o sucesso fosse pouco e acabassem por dispersar. Mas não acabaram com eles de forma leve, foi logo ao fazer Bagwell juntar-se aos nWo. E ainda foi um “big deal” porque era em 1996, ainda não era aquela altura em que a vossa avó podia passar pela arena da WCW e já se podia juntar aos nWo. Esgotou-se. Talvez por não terem trabalhado o suficiente na equipa. Podiam dar num “comic relief” decente e, através dos seus segmentos e atitudes arranjarem umas feuds com isso como base. Claro que não seria para sempre, mas sempre deixava uma marca.

Resultava nos dias de hoje?: Faz-se disto a qualquer altura. Se juntassem o Tyler Breeze a alguém era nisso que dava. Mas esse está bem por si. Mas é so quererem e fazem uma equipa destas. Para ir lutando de vez em quando no Main Event porque actualmente também não se aproveita muita coisa a partir de muita coisa.

Creio já ter aqui uma boa colecção de cromos de todas as cores e tamanhos. Uns que vocês conheçam actualmente, que se lembrem, que não se lembrem, que nunca viram mais gordos. É disto que faço nestes artigos. Espero que tenham gostado e que ainda dê para este velhinho Slobber Knocker sobreviver, após já ter visto melhores dias de feedback. Mas como nunca perderei o gosto em escrever para vocês que ainda me lêem, convido-vos como sempre a participar nos comentários ao assunto e na enumeração de outros exemplos. Para a semana não estarei cá, mas lá tentarei cá constar com novo assunto na seguinte, quiçá com algum balanço do ano de 2014 que chega ao fim. Ainda em relação ao assunto do artigo, algo em que pegar:

“Acham que gimmicks notáveis fazem falta para enriquecer uma divisão de equipas?”

Até à próxima e desejo a todos umas boas festas. Feliz Natal a todos e que acabem o ano numa nota alta para entrarem em 2015 com o dobro da força! Tudo de bom para vocês!

Cumprimentos,
Chris JRM



sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

WWE NXT 18.12.2014 - Resultados + Vídeos | Apresente-se Mr. Owens


O episódio desta semana do NXT tem como destaque a entrada rompante de Kevin Owens na brand. Em defesa de Sami Zayn, que foi atacado por Owens no Takeover, vem Adrian Neville e fica assim marcado o main-event. Foco ainda para os The Ascension que enfrentam Enzo Amore e Big Cass e ainda o prosseguimento da rivalidade entre Baron Corbin e Bull Dempsey....

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

WWE Network - The Monday Night War - WWE vs. WCW – Episodio 17 - The Kliq


Com o objectivo de aumentar o conteúdo do WWE Network, a WWE apresenta um conjunto de episódios que irão abordar as The Monday Night Wars. O episódio desta semana da série tem como principal tema o grupo The Kliq com Triple H, Shawn Michaels, Kevin Nash, Scott Hatt e Sean Waltman...

Who’s Next?

Pro Wrestling in Pictures (220) O futuro!

Mais um Pro Wrestling in Pictures que tem por objectivo mostrar o melhor e o pior do wrestling basicamente em imagens mas sempre com um toque de humor presente e hoje com uma edição diversificada! Relembro se quiserem podem enviar as vossas fotos para wrestlingnoticias@gmail.com que as melhores serão publicadas... 



WWE Tribute to the Troops 2014 - Resultados + Videos


A WWE apresenta a edição anual do Tribute to the Troops onde a promotora homenageia as tropas norte-americanas. Os principais destaques do show são um No DQ Bootcamp Match entre Dean Ambrose e Bray Wyatt e o main-event do show com Ryback, Erick Rowan, Dolph Ziggler e John Cena frente a Big Show, Luke Harper, Kane e Seth Rollins. Foco ainda para a presença de Hulk Hogan...

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Zona Indy 2014 (49) Resultados, Notícias e Cards | Primeiros adversários de Del Rio na ROH & Ex-WWE comenta PPV da NJPW com Jim Ross & Adam Cole lesionado

É o regresso do Zona Indy com o melhor do wrestling independente. O espaço de hoje apresenta os resultados do fim-de-semana que teve como destaque os shows de final de ano da PWG e CZW e que trouxeram mudanças nas promotoras. Completa o espaço as noticias do panorama independente com destaque para Alberto del Rio, Ring of Honor e NJPW e ainda o card do show da House of Glory do próximo fim de semana..

Puroresu Channel 2014 XLV - Coroados os primeiros campeões de equipas da Wrestle-1


É o regresso do Puroresu Channel com o melhor do puroresu. A edição desta semana apresenta três shows. Em destaque estão as finais dos torneios de equipas da BJW, o Saikyou Tag League  e da Wrestle-1 onde foram coroados os primeiros campeões de equipas da promotora. Foco ainda para os primeiros shows da Fantastic Gate da Dragon Gate......

WWE SuperSmackdown Live 16.12.2014 - Resultados + Videos | O regresso de Roman Reigns aos ringues



O Friday Night Smackdown desta semana é uma edição especial ao vivo e cujo grande destaque é o regresso de Roman Reigns aos ringues depois de um período de inactividade por lesão. Em termos de combates destaca-se o grande combate da noite entre Dolph Ziggler e Seth Rollins. Foco ainda para a defesa do título de Divas e para novo combate da New Day...

WWE Main Event 16.12.2014 - Resultados + Videos | Kane x Erick Rowan


O WWE Main Event desta semana tem como principal destaque o embate entre dois derrotados no TLC com Kane a bater-se contra Erick Rowan. Completa o evento mais dois combates, um de Divas com Emma a enfrentar Paige e um de equipas com a New Day a confrontar a equipa de Tyson Kidd e Cesaro...

Os Deztaques da Semana #5 (8.12.14 - 14.12.14)

Olá a todas e a todos, eu sou o PyroMANiac e este é o meu artigo. Nas últimas duas semanas não pude escrever o meu artigo mas estou de volta, e vou tentar manter a regularidade. O meu artigo vai basear-se nos dez lutadores, ou lutadoras, que se destacaram a meu ver em todas as semanas, no RAW, no Main Event, no Impact, no NXT e no SmackDown e claro nos PPV's que acontecerem na semana em análise. Bom, espero que gostem e comentem. Esta semana há uma observação especial sobre o PPV de Domingo, o TLC. Estes são Os Deztaques da Semana!



10º Lugar - Adrian Neville

O Ex-Campeão da NXT proporcionou-nos um bom combate contra Sami Zayn, mostrando que tem potencial como heel. O britânico esteve à altura do papel que tinha de desempenhar, que era de campeão que faria tudo o que fosse preciso, e foi isso mesmo que fez, por exemplo, quando puxou o árbitro aquando dum Helluva Kick de Zayn. Não me vou alongar muito nesta descrição porque vou fazê-lo mais à frente. Desce 6 lugares em relação à 3ª edição do Deztaques.



9º Lugar - Sasha Banks

A boss do NXT esteve em grande forma no seu combate contra Charlotte. Um verdadeiro combate de wrestling entre duas mulheres, ao contrário do que acontece na main roster. Sasha esteve por diversas vezes por cima do combate e teve pelo menos metade do público presente do seu lado. Temos aqui uma grande estrela para o futuro, se mantiver a personagem.





8º Lugar - Miz & Mizdow

É um facto que estes dois perderam o combate no TLC devido a utilização do Slammy nos Usos, contudo deram mais um show, quer dizer deu Mizdow, que continua a ter um enorme pop e uma excelente reacção dos fãs. Miz fez o combate praticamente sozinho, sem nunca ter feito o tag a Mizdow, contudo Mizdow esteve bastante activo na borda do ringue e mesmo dentro dele, ao imitar tudo o que o original fazia. Descem 5  lugares em relação à ultima edição do Deztaques.  





7º Lugar - Seth Rollins

Num combate que teve bastante intensidade e bons spots, o Mr. Money in the Bank perdeu devido a alguma interferência externa que ajudou Cena. Seth como bom heel que é não deixou de ser ajudado pelos seus seguranças privados, Jamie Noble e Joey Mercury, que foram uma preciosa ajuda ao longo do combate. Começou tudo por impedirem John Cena de entrar com mesas dentro do ringue ou atacarem-no quando começava a ter algum ímpeto. Seth aproveitava todos estes momentos para tentar enfraquecer Cena de maneira a que fosse possível atira-lo mesa adentro, Rollins chegou a ser atirado contra uma mesa, contudo na aplicação do AA, o destacado acabou por bater no árbitro ficando impossibilitado de acabar com o combate. Mais tarde, já depois do árbitro ter recuperado, tanto Cena, como Rollins acabaram por partir a mesa, ora como foi impossível de tomar a decisão de quem tinha vencido o combate, acabaram por reinicia-lo. Posteriormente, Big Show tentou interferir mas veio Roman Reigns para impedir que este interferisse, e foi o mesmo Roman que aplicou um Superman Punch a Rollins para posterior AA de Cena. Desce 5 Lugares desde a última edição do Deztaques.




6º Lugar - John Cena

Bom como não me quero repetir, basta referir que Cena venceu Seth no TLC, vingando-se da interferência do Mr. Money in the Bank no Night of Champions, quando John Cena lutava conta o WWE World Heavyweight Champion Brock Lesnar e estava quase a ganhar. Graças a esta vitória no TLC, Cena mantém a posição de pretendente ao título que estava em risco e vai assim lutar contra Brock no Royal Rumble PPV e tentar conquistar o 16º titulo Mundial da carreira. Desce 5 lugares em relação à 1ª edição do Deztaques.




5º Lugar - Finn Bálor& Hideo Itami

Bálor tinha avisado os Ascencion e os espectadores do NXT que iria trazer algo nunca antes visto. Prometeu e cumpriu, ficamos todos maravilhados e impressionados com a entrada de Finn Bálor, mas se fosse só este o motivo para serem destacados, não estariam nesta posição, e a verdade é que tanto Itami como o seu parceiro estiveram completamente ligados à corrente eléctrica durante o combate, uma velocidade estonteante perante dois adversários extremamente fortes. Ambas as equipas tiveram os seus ímpetos bastante equilibrados, contudo foi quando o combate começou a ficar com uma velocidade superior que vimos Itami a colocar um dos Ascencion nos ombros, ameaçando o GTS, que infelizmente não vimos. Foi uma vitória bem construída e foi provavelmente o melhor combate desta dupla que se continuar assim, pode vir a lutar pelos títulos de equipas do NXT. Foi tal como  aconteceu em todo o PPV, um combate com muita qualidade. Descem um lugar em relação à 2ª edição do Deztaques.




4º LugarCharlotte

Que combate de duas senhoras do Wrestling, talvez o melhor combate feminino do ano. Charlotte e Sasha Banks levaram-se mutuamente ao limite, num combate maravilhoso. A pretendente ao título começou por tentar ficar por cima do combate usando algumas manobras psicológicas, atirando a sua camisola contra a campeã. Os momentos de domínio foram bastante bem divididos, com Sasha a ter estado mais vezes por cima no meu entender. Charlotte esteve muito bem, tendo dado tudo de si para poder manter-se com a campeã feminina. É de valorizar a evolução que a campeã tem demonstrado, visivel sobretudo na maneira como aplica as manobras e a determinação que demonstra.




3º Lugar - Bray Wyatt

Bom, Bray Wyatt tem vindo a ter uma rivalidade morna com Dean Ambrose, que embora façam ambos ter o seu destaque na mesma semana, tem sido pouco estimulante para que o combate no TLC fosse bem construído, Contudo não deixaríamos de ver um TLC Match entre Wyatt e Ambrose, e quem o fez, não saiu desiludido, um combate que começou logo com Dean ao ataque não deixando sequer que Bray entrasse no ringue, sendo que os objectos "perigosos" começaram desde cedo a ser utilizados. Ambos tiveram bastantes momentos para que o pop do público se desse, mas o público já tinha perdido grande parte da sua energia no combate do título Intercontinental e o combate onde Cena saiu vencedor. Houve mesas partidas, cadeiras amolgadas, escadotes maiores ou mais pequenos em utilização. Ambrose e Wyatt combateram por todo o lado, incluindo a mesa de comentários do Pre-Show e mais uma vez a mesa dos comentadores espanhóis foi vítima de destruição. O combate acaba de uma forma bastante estranha, com Dean a ir buscar um monitor debaixo do ringue para utilizar em Bray, só que ao soltar-se dos fios dá-se um curto-circuito que o cega, e claro Bray aproveita-se desse facto para aplicar o Sister Abigayl para a vitória. Sobe dois lugares em relação à última edição do Deztaques.




2º Lugar - Dolph Ziggler

Embora tenha sido bastante maltratado no início do seu combate, nunca desistiu e lutou até conseguir reaver o que era seu antes de a Autoridade o ter tramado num combate contra Luke Harper, que acabou por conquistar o título Intercontinental a Ziggler. Depois da saída da Autoridade, Dolph voltou a ter esta oportunidade de conquistar o título num combate em que Harper tinha mesmo de derrotar o seu adversário. Neste combate de TLC, ambos se levaram ao limite com imensos momentos em que se podiam ter lesionado com gravidade, por exemplo naquele momento em que Harper faz um suicide dive e fica com o braço entalado no escadote, ou quando Ziggler sofre uma powerbomb nas escadas que estavam no canto. Foi um combate em que ambos deram o corpo ao manifesto com o intuito de ganharem o combate, sendo que um dos melhores momentos foram o DDT de Ziggler a Harper e o Superkick que permite ao destacado e ganhar o combate. Esperemos que continue com este push e que no ano de 2015 tenha mais oportunidades no Main Event. Desce um lugar desde a última edição dos Deztaques.





1º Lugar - Sami Zayn

And the NEEWWWWWWW NXT CHAMPION…SAMI ZAYN. É verdade, temos novo campeão do NXT, finalmente Zayn consegue ter o seu momento de glória e conquista aquilo que já merecia há algum tempo. Talvez o combate do ano ou pelo menos um dos combates do ano! Zayn teve imensos momentos em que parecia que ia ganhar, nomeadamente quando faz o Spinning Out Powerbomb ou quando aplicou o Koji Clutch. O combate teve imensos momentos de emoção com o público sempre a torcer pelo pretendente ao título. Sami proporcionou-nos momentos fantásticos como é seu hábito, incluindo o dive DDT entre as cordas do canto, contudo quem torcia pelo canadiano teve de certeza alguns momentos de irritação e de quase ataques cardíacos quando o actual campeão do NXT fazia de bonzinho, não usando o cinto contra o adversário. Aconselho que quem não costuma ver NXT, que veja o da Takeover R Evolution, porque foi extraordinário!  

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Hot Sonakshi Sinha, Car Price in India